Header Ads Widget

header ads

Caso Nilde: mulheres promovem protesto contra a violência feminina em Capanema

Imagem: Reportagem Folha 390

Ouça a reportagem completa:

 

Um grupo de mulheres organizou em Capanema no final da tarde da última segunda-feira (02) um ato em protesto contra a violência feminina. O movimento foi uma forma de prestar solidariedade com o caso da jovem Nilde Segretto, popularmente conhecida como 'Nilde do Bronze'.

No último final de semana, Nilde foi vítima de violência doméstica por parte de seu companheiro, Allan Diogo, que quase a matou a pancadas na noite do último domingo (01), data em que o casal comemorava o aniversário do filho.

Vídeos com cenas fortes do estado de Nilde, circularam pelas redes sociais e despertou revolta na população. 

Nas imagens, Nilde aparece toda ensaguentada, parcialmente inconsciente e com um profundo golpe na cabeça, ao passo que pessoas próximas, tentavam mantê-la estável enquanto aguardavam a chegada do atendimento médico de urgência. 

Flor Pastana, uma das participantes do movimento, disse ter ficado perplexa com a crueldade praticada contra a jovem:

"Hoje pela manhã eu pude conversar com ela [Nilde] que foi muito bem socorrida e assistida pela UPA de Capanema. Esse caso realmente dá uma revolta dentro da gente, como mulher, como ser humano [...] Como é que um homem tem coragem de fazer isso contra a sua companheira? A mulher tem que ser tratada com carinho, com respeito acima de tudo" - Afirmou Flor Pastana.

Para Karla Nascimento, ativista pelos Direitos das Mulheres "A Nilde não está sozinha! Nós estamos aqui fazendo esse movimento em solidariedade a ela. Nós não podemos nos calar, temos que denunciar casos de violência como esse [...] Quero dizer às mulheres que nós precisamos umas das outras. Porque essa luta é diária e constante [...]" - Disse.

Rita Teixeira, membro do Movimento de Mulheres do Nordeste do Pará (MMNEPA) reforçou o apelo por novas Políticas Públicas para as mulheres:

 "Precisamos contar com a ajuda de parlamentares no desenvolvimento de medidas que possam responsabilizar financeiramente os homens que agridem essas mulheres [...] Nós do Movimento de Mulheres do Nordeste Paraense repudiamos toda e qualquer forma de violência. Ninguém merece morrer pelo simples fato de ser mulher" - Declarou a ativista que acolhe vítimas de violência contra mulher e atua como educadora e agente social no município de Capanema, distante cerca de 160 Km de Belém. Em dezembro de 2020, Rita estampou a capa da Revista Vogue Brasil, com um apelo: "Há ESPERANÇA ... nas florestas e nos povos da Amazônia, estão as respostas para um mundo possível".

 Quando o assunto é violência contra as mulheres, a luta parece estar longe de ter fim. Conforme informou a Secretaria de Segurança Pública, só no Estado do Pará houve um aumento de 40% em 2020 nesse tipo de caso e no Brasil, 105.821 denúncias dessa categoria foram registradas no ano passado. 

Denúncias de casos envolvendo violência contra mulher podem ser feitas pelo número 180.

Reportagem:

FOLHA 390

Postar um comentário

0 Comentários